Prof. Waldir Cury

  • Sempre treinar as palavras de difícil traçado de cada ditado (repeti-las várias vezes, durante alguns dias – até sentir que as está taquigrafando sem nenhuma hesitação quanto à feitura dos sinais).
  • Traduzir, ou oralmente ou por escrito (de preferência digitando no computador) cada ditado que você taquigrafar.  A tradução vai ajudá-lo a ver os seus pontos fracos, as palavras que precisam ser mais treinadas, e irá ajudá-lo a ficar cada vez melhor na decifração dos sinais taquigráficos.  Ao traduzir, procurar sempre ver o sentido da frase, do assunto – isso ajuda muito a tradução.  A regra então é: taquigrafou – traduziu!  Lembre-se: a taquigrafia não é um fim em si mesma.  Qual é o fim?  É a tradução!
Leia mais...